Alexandre Cueva

Alexandre Cueva


Alexandre Cueva

Alexandre Cueva

Começou sua carreira musical com a Banda Rés Derelictae, chegando a gravar em 1988 um disco de músicas autorais. Logo em seguida formou com seu irmão Álvaro Cueva e com Daniel de Thomaz o grupo Terno Paulista, trio que se apresentou em diversos espaços culturais paulistanos como: Centro Cultural SP, Projeto SP, Palace, Projeto Bem Brasil, Cidade Universitária (USP), bar Vou Vivendo, Café Paris etc , entre 1989 e 1994.

É sócio do Clube Caiubí de Compositores, trabalha ativamente como arranjador, compositor, instrumentista (violão, bandolim e percussão) e cantor. Participou dos principais festivais de São Paulo (Avaré, Tatui, Carrefour etc.) e da criação/execução de músicas para teatro, tendo trabalhado com artistas como Gabriel Villela, William Pereira, Zeno Wilde, Márcio Marciano (Cia. do Latão) e outros. Como instrumentista, acompanhou músicos como Billy Blanco, João Pacífico, Marília Medalha, Fabiana Cozza, Sílvia Handroo, Solange Sá, Ney Mesquita etc. Em 2000, fez em Londres, com o grupo de choro ‘Choro da Vila’, a abertura do show de João Gilberto.

Atualmente faz parte do grupo Todos Acordes, com seu irmão Álvaro Cueva e o violonista Leonardo Costa, e do Quarteto Garatuja, com Tânia Murakami, Muari Vieira e Leonardo Costa. Ambos os trabalhos estão em fase de gravação de CD. Atua também no coletivo Comboio de Cordas, projeto que reúne diversos violonistas de são paulo. Trabalha no grupo de música árabe do alaudista Sami Bordokan.

www.myspace.com/alexandrecueva

ale.cueva@gmail.com

(11) 9444-4872

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Bisdré

Bisdré

Bisdré

Bisdré

Começou a estudar violão com 15 anos de forma autodidata. Mais tarde teve aulas com músicos de projeção internacional. Com Ricardo Simões estudou técnica e arranjos especialmente para o violão, com Luizinho 7 cordas conheceu o violão de 7 cordas e com Lúcio França, cavaquinho e violão. Mas foi com o professor Ruy Weber que se aperfeiçoou e desenvolveu seu aprendizado.

Atuou companhando vários nomes do samba como Beth Carvalho, Tia Surica da Portela, Ernesto Pires, Galloti, Luís Carlos da Vila, Quinteto em Branco e Preto e Roberto Silva. Também tocou ao lado de Carlos Poyares, Cláudio Camunguelo, Ney Mesquita, Adriana Moreira, Reinaldo, Leci Brandão, Jane do Bandolim e Jorge Simas.

Participou das gravações dos CDs de Edu Batata, William Nazário e Emerson Urso, (lançado em setembro de 2008 no Brasil, Estados Unidos e Europa) onde assina dois arranjos do disco. Participou também de vários programas de TV acompanhando diversos artistas como Carlinhos Paixão, Airton Santa Maria, Emerson Urso, João Borba e Cida Moreira. Em dezembro de 2008 viajou para Portugal onde apresentou 2 concertos solo com músicas suas e de compositores amigos, participou da gravação do CD sambas enredo das escolas de samba de Sesimbra e também acompanhou o compositor brasileiro Sombrinha em show ao lado de músicos como Belôba e Carlinhos 7 cordas.

Volta a trabalhar com teatro na companhia Caixa de Fuxico com o espetáculo ‘A menina, o príncipe e a noite’ e no Grupo Caldeirão com o espetáculo ‘Lorca em Ouro e Prata’.

Como violonista se junta com outros violonistas de São Paulo para iniciar o coletivo Comboio de Cordas ao lado de violonistas como Zé Barbeiro, Ruy Weber, Leonardo Costa, Chico Saraiva, Muari Vieira, Cau Karam e Daniel Murray.

www.myspace.com/bisdrebr

bisdre@gmail.com

(11) 9187-7484 e 2591-9885

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Chico Saraiva

Chico Saraiva

Chico Saraiva

Chico Saraiva

Chico Saraiva nasceu no Rio de Janeiro, foi criado em Santa Catarina e vive em São Paulo desde 1995. Formado em música popular na UNICAMP, estreou como compositor no álbum instrumental Água (MCD/1999) gravado ao lado de Edu Ribeiro (bateria) e Zé Nigro (baixo).

Em 2003, venceu o 6º Prêmio Visa de MPB – Edição Compositores, apresentando repertório influenciado por Villa-Lobos, Edu Lobo e Guinga. A gravação do disco Trégua (Biscoito Fino/2003), como parte da premiação, apresenta canções interpretadas por grandes cantoras brasileiras. Permeado por composições instrumentais, foi considerado “uma obra-prima” pela revista francesa Vibrations.

Em 2005, Chico foi finalista do Festival da TV Cultura com a canção Startrek de Tacape. No mesmo ano, foi selecionado pelo Projeto Pixinguinha e excursionou por quatro Estados do norte do Brasil. Lançando Saraivada (Biscoito Fino/2007), o autor fez uma leitura musical das culturas tradicionais brasileiras, as quais visita com o grupo A Barca, do qual é co-fundador. O próprio Chico deu voz às parcerias com poetas como Luiz Tatit e Paulo César Pinheiro.

Em 2009, Chico e a cantora Verônica Ferriani lançaram o cd Sobre Palavras, com músicas de Chico sobre a poesia de Mauro Aguiar. O projeto foi selecionado pelo Projeto Pixinguinha, que proporcionou a gravação do cd e os shows de lançamento. Ainda no final do ano passado, Chico lançou o Duo instrumental Saraiva-Murray, com o violonista Daniel Murray. A estréia foi em Paris, em novembro. Chico vem se apresentando nos principais palcos brasileiros ao lado de compositores como Francis Hime e Guinga.

www.chicosaraiva.com.br

chicosaraiva.com.br@gmail.com

(11) 8923-4934

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Daniel Murray

Daniel Murray

Daniel Murray

Daniel Murray

Desenvolve uma ativa carreira como intérprete, arranjador e compositor. Integra, desde 2009, o Quarteto Tau de violoes junto a Breno Chaves, Jose Henrique Rosa Campos e Fabio Bartoloni e formou junto ao violonista e compositor Chico Saraiva o Duo Saraiva-Murray, com quem acaba de fazer concertos pela Europa (Paris, Londres e Portugal). Em 2011 realiza pelo Proac uma tourneé paulista de seu segundo trabalho solo “Tom Jobim para violao” (Delira Música). Realiza também uma tourneé nacional junto ao “Trio Universos”, formado por Giuliana Audra (flauta) e Sergio Kafejian (eletronica em tempo real) através do Programa Petrobrás Cultural.

www.danielmurray.kit.net

danielmurraysv@globo.com

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Emiliano Castro

Emiliano Castro

Emiliano Castro

Emiliano Castro

Violonista, arranjador, compositor, cantor e cientista social. Já trabalhou ao lado de colegas e mestres como Guinga, Paulo Bellinati, Zizi Possi, Yamandú Costa, Spok, Fabiana Cozza, Nei Lopes, Marina de la Riva, Cristóvão Bastos, Djalma Corrêa, Trio Corrente entre outros. Tocou como solista ou em outras formações na Holanda, Bulgária, Senegal, Peru e Cuba além de diversas cidades espanholas e brasileiras. Desenvolve carreira solo com dois shows:

Kanimambo, com produção musical de Paulo Bellinati e apoio da Secretaria de Cultura de SP, é seu primeiro trabalho autoral e recebeu críticas excelentes em veículos como a revista Rolling Stone e o Guia de Lançamentos da Folha. Lançado este ano, foi gravado em 2010. Siete Caminos é um show dedicado exclusivamente ao gênero flamenco com interpretações, arranjos e composições suas tocado ao violão de 7 cordas.

Participou como instrumentista ou arranjador em mais de 20 discos. Participa como produtor e instrumentista, ao lado de Yamandu Costa e Spok, da trilha do site Produção Cultural no Brasil (www.producaocultural.org.br, 2010) além de outras trilhas para cinema, curtas e jingles. Foi o diretor musical do show Nei Lopes convida Wanderley Monteiro e Fabiana Cozza no projeto “Macumba da Boa”, no Sesc Pompéia em fevereiro de 2008.

Brasileiro, viveu entre 1978 e 80 em Moçambique, África. Entre 2001 e 2005 viveu na Espanha onde estudou violão flamenco sob orientação do mestre Manuel Granados, concluindo o 6º ano do curso de Guitarra Flamenca do Conservatori Superior de Música del Liceu de Barcelona. Já estudou com Henrique Pinto, Claudio Leal Ferreira, Paulo Bellinati, H. J. Koellreutter, Manuel Granados, Rodrigo Naves, Renato Luiz Consorte e Lu Horta entre outros mestres.

Professor de música desde 1995 já participou de cursos no Brasil e no exterior sobre pedagogia musical baseada em diferentes métodos. É professor na Escola do Auditório Ibirapuera desde 2006. Professor do método de percepção musical O Passo, trabalha sob orientação direta de seu criador, Lucas Ciavatta.

Cientista social formado pela USP (2000) tem publicações na área de antropologia e ministrou entre 2003 e 2008 diversas conferências sobre história e estética da música brasileira em universidades e centros de formação cultural de São Paulo e da Catalunha.

www.emilianocastro.com.br

bremiliano@gmail.com

(11) 7336-3898

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Ítalo Peron

Ítalo Peron

Ítalo Peron

Ítalo Peron

Violonista, arranjador e compositor, nasceu em Álvares Machado – SP, no dia 27/11/1955. Iniciou-se na música como autodidata e começou a se apresentar publicamente através de festivais da canção do interior do estado de São Paulo. Em 1975 mudou-se para a capital onde frequentou o curso de música da Faculdade Paulista de Artes (Bacharelado em violão), tendo sido aluno de Celso Machado, Pedro Cameron e H.J. Koelreutter.

Tem atuado tanto na área da música erudita quanto popular, desde l980, em trabalhos próprios ou acompanhando outros artistas, a exemplo de Paulo Vanzolini, Francis Hime, Diana Pequeno, Roberta Miranda, Peninha e Trovadores Urbanos, entre muitos outros. Foi vencedor da FAMPOP (Festival de Música de Avaré, SP) por duas vezes – em 1995 (melhor música) e 1996 (melhor música instrumental). Desenvolve trabalhos de criação, arranjo e gravação de jingles, trilhas e discos, tendo sido produtor musical e arranjador do Projeto “Acerto de Contas de PAULO VANZOLINI ”, lançado em 2003 pela gravadora Biscoito Fino, contendo 4 CD’s com registro de 52 músicas interpretadas por 22 artistas (Chico Buarque de Holanda, Paulinho da Viola, Martinho da Vila , Elton Medeiros, Inezita Barroso, Paulinho Nogueira, Eduardo Gudin, Miucha e Márcia, entre outros) e 45 músicos de São Paulo. Em 2009 fez a direção musical do filme “Um Homem de Moral”, documentário sobre o compositor Paulo Vanzolini, de autoria do cineasta Ricardo Dias, lançado também em DVD pela gravadora Biscoito Fino.

italoperon@uol.com.br

(11) 9103-2164 e 5083-9306

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Leonardo Costa

Leonardo Costa


Leonardo Costa

Leonardo Costa (foto: Moreno Gonçalves)

Nascido em 1982, Leonardo Costa começou sua carreira musical como violonista, tocando com diferentes formações de grupo no interior de São Paulo. Iniciou seus estudos musicais em Bauru, aos 15 anos, com o maestro George Vidal, na escola Clave de Sol. Em seguida, em São Paulo, continuou seus estudos com o violonista Ulisses Rocha. Na ULM (Universidade Livre de Música) teve aulas com Lilian Carmona e Paulo Belinati. É formado em arranjo com Cláudo Leal Ferreira. Suas composições já renderam elogios de importantes referências da música brasileira como Filó Machado, Marco Bosco, Ulisses Rocha, Ivan Vilela e Tavito. Integra o grupo instrumental Quarteto Garatuja e o grupo cancioneiro Todos Acordes, ambos dedicados ao fomento e projeção da música autoral. Em 2011 ganhou o Prêmio Caiubi (Clube Caiubi de Compositores) de melhor show do ano com o grupo Todos Acordes, juntamente com Álvaro e Alexandre Cueva. Como arranjador participou do disco “Consequências” (2006) da cantora Silvili. Também teve participação no disco “Tecno Roots” (2001) do percussionista Marco Bosco; foi arranjador e violonista no disco de Bárbara Rodrix em 2007, juntamente com Zé Rodrix.Como ator, músico e diretor musical participou das peças “Um pouco de ilusão, poesia e canção” e “Paisagens paulistanas” (Cia, artes Simultâneas diretor Dedé Pettine), em 2007. Em 2008 escreveu e dirigiu a peça “Sarau do Machado”, estreando no SESC Pompéia, juntamente com a Cia. Artes Simultâneas, em homenagem aos 100 anos da morte do autor. Leciona aulas e cursos de formação musical e violão desde 2002. Em 2009, dirigiu a Orquestra Violão Multivozes em Pilar do Sul (SP), formada por mais de 40 músicos e montada a partir da ação cultural do Ponto de Cultura de Pilar do Sul em parceria com o músico e historiador Francisco Andrade do grupo instrumental Quarteto Pererê. É coordenador musical do Ponto de Cultura de Torrinha (SP) desde 2010, onde dirige a Orquestra de Viola de Torrinha e a Luthieria “João Alves de Mira”. Integra a Cooperativa de Músicos de São Paulo, e o catálogo “Sons do Brasil”, produzido em 2009, com mais de 30 artistas da cena paulistana atual. Em 2010 foi vencedor do 2º Festival de Música Instrumental para Viola, Violão e Guitarra com sua música para violão solo “Chorinho”.

www.myspace.com/leonardocostamusic

leonardocostamusic@gmail.com

(11) 8770-8958

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Michi Ruzitschka

Michi Ruzitschka

Michi Ruzitschka

Michi Ruzitschka

O violonista e guitarrista proveniente da Áustria se dedica à música desde muito jovem. Seu primeiro contato com música brasileira foi na adolescência quando apresentou um concerto solo para violão clássico em que tocou obras de Villa Lobos e Laurindo Almeida. Já iniciado à música popular brasileira, mergulhou em Baden Powell, João Gilberto e Tom Jobim e logo após no violão de João Bosco, Gilberto Gil e Filó Machado. Em 1998 graduou-se no Brucknerkonservatorium de Jazz na Áustria e depois ganhou uma bolsa para estudar nos Estados Unidos na renomada Berklee College of Music em Boston, onde passou quatro anos. Como parceiro e diretor musical da cantora Giana Viscardi gravou dois discos e se apresentou por países do mundo como Alemanha, Austria, Espanha, Luxemburgo, Inglaterra, México, Tailândia, Japão e Suíça. Mudou-se para o Brasil em 2003 e desde então dedica-se à composição e arranjo e tem trabalhado ao lado de artistas como Elba Ramalho, Danilo Caymmi, Pinduca, Chico César, Hamilton de Holanda, Paulinho Moska, Toninho Ferragutti, Kiko Dinucci e Tatiana Parra. Ficou em quarto lugar no festival de MPB do conservatório de Tatuí e ganhou o festival da canção da Alta Mogiana. Músicas dele em parceria com Giana Viscardi foram gravadas pela Gafieira São Paulo, pelas cantoras Izzy Gordon, Mariana Aydar, Ana Paula Lopes, Joana Duah, Dani Gurgel e Ana Paula da Silva. Em 2008 e 2009 gravou os discos “Nosso“ e „Agora“ e em 2010 o DVD Viadutos de Dani Gurgel, nos quais assina os arranjos de várias faixas e produziu o disco „Bangüê” de Ilana Volcov. Também participou dos discos “Franciscos” de Mateus Sartori e “Calmaria” de Guilherme Ribeiro. Apresentou-se em programas de TV como “Programa do Jô” e „Som Brasil“ da TV Globo, “Bem Brasil” e “Ensaio” da TV Cultura e no reconhecido Festival de Jazz de Ouro Preto. Atualmente integra o trio do violinista Ricardo Herz e ainda este ano Michi vai lançar o primeiro album do projeto Afro Electro (www.afroelectro.com.br) com música original inspirada em sons da África contemporânea.

No site Sintonia Fina o compositor e produtor Nelson Motta não poupa elogios ao trabalho de Michael: “…Jazz, pop e música brasileira de primeira com o excelente guitarrista Michi Ruzitschka…”. “Ruzitschka toca sambas com uma levada que nada fica a dever a muito bambambã brazuca.“ LAURO LISBOA, Estado de São Paulo, 2006.

www.myspace.com/michiruzitschka

ruzitschkam@hotmail.com

(11) 7741-4184

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Muari Vieira

Muari Vieira

Muari Viera

Muari Viera

Muari Vieira começou sua carreira aos 17 anos, participando do quinteto de jazz “Jazztet” atuante na cena musical de Quito, Equador e premiado com a melhor canção no “Festival Intercolegial de la Canción”. Aos 18 ganhou bolsa de estudos para cursar a Faculdade Berklee College of Music em Boston, E.U.A, começando assim um maior aprofundamento nos estudos do jazz. No período em que viveu em Boston, tocou nos grupos; Spontaneous (blackmusic), Dave Hoffman Group (pop) com o qual lançou o disco Take Off, além de diversos trabalhos de jazz, jazz latino e música brasileira.

Em 2003 mudou-se para Nova Iorque, onde trabalhou como violonista solo e com o grupo Traveling Gypsies (Vlada Tomova — voz e Mathias Künsli — percussão). Nos Estados Unidos, gravou dois discos como líder: Rabo de Galo (2002) ao lado do baterista Léo Costa e Miguel Gandelman e o disco de violão solo Muari Vieira (2004).

De volta ao Brasil, gravou os discos Choros, Sambas, Valsas e um Frevo (2006) do compositor Cau Karam, trabalho ganhador de prêmio Açoriano de melhor disco do ano, Som na Brasa/Regional Brasileiro do saxofonista e flautista Walter Pinheiro e Kiessá da cantora Carla Sinisgalli. Foi ganhador junto com a cantora Carla Sinisgalli dos prêmios “Melhor Intérprete” e “Melhor Grupo Regional” da edição de 2006 do Festival de Indaiatuba – São Paulo.

www.myspace.com/muarivieira

muari1980@yahoo.com

(11) 9319-0391

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Norberto Vinhas

Norberto Vinhas

Norberto Vinhas

Norberto Vinhas

Norberto Vinhas nasceu em Anápolis, no estado de Goiás em 1972. Sua trajetória musical começa em Cuiabá (1985) com os estudos de violão erudito. Graduado em licenciatura em música no ano de 2004 pela Universidade Federal de Alagoas, atualmente reside e trabalha em São Paulo como músico, produtor musical e professor de violão/guitarra. Entre inúmeras apresentações no território nacional, também se apresentou em vários países europeus em festivais renomados, dentre eles o Festival de Montreux Jazz Festival (1996 e 1998).

No Brasil, participou de projetos ao lado de artistas expressivos, como Rosa Maria, Regina Machado, Luciana Melo, Luiz Ayrão, Luis Melodia, Zeca Baleiro, Marcel Powell e Hermeto Pascoal dentre outros. Influenciado por Bach, Igor Stravinsky, John Scofield, Pat Metheny, Scott Henderson, Bireli Lagrene, Robben Ford, Villa-Lobos, Dilermano Reis, Chico Buarque. Desenvolve um estilo mais livre, brasileiro, sem esconder sua influência Pop/Rock por Sting, Jamiroquai, Jimmy Hendrix. Seu repertório, além de interpretações do erudito brasileiro, é autoral e abrange o samba, o Jazz e o Rock.

nvinhas@hotmail.com

(11) 7632-1044 e 3129-4896

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Quarteto Pererê

Quarteto Pererê


Quarteto Pererê

Formado a partir das comemorações dos 80 anos da Semana de Arte Moderna, o Quarteto Pererê dedica-se à música instrumental brasileira.

Em sua contínua reflexão sobre as influências do nosso passado musical e sua perenidade refletida em obras de contemporâneos, o Quarteto inspira-se no peralta de uma perna só, O Saci Pererê, confluência dos mitos brasílicos fixada no imaginário e na cultura popular, resultando numa sonoridade imaginativa e alegórica.

Com 2 álbuns independentes – Ebulição (2004) e Balaio (2009) – seu repertório abraça composições a 8 mãos, arranjos e inventivas, unindo “tradição e modernidade” na poética musical de múltiplos brasis.

http://quartetoperere.pilarcultural.org

quartetoperere@gmail.com

(11) 7291-9131

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

Zé Barbeiro

Zé Barbeiro


Zé Barbeiro

Zé Barbeiro

O violonista Zé Barbeiro, cinqüenta e sete anos de idade, trinta como barbeiro e autodidata no violão de 7 cordas. Considerado por Luiz Nassif o melhor violonista do Estado de São Paulo e um dos melhores do país pelo livro “Violões do Brasil” SESC/SENAC, ainda permanece desconhecido para o público geral. Dono de uma imensa sensibilidade musical, Zé Barbeiro passa das cadeiras do ensino fundamental direto para a maestria do choro. Filhos de nordestinos, viveu uma infância pobre e aprendeu tudo o que sabe sozinho, das técnicas do instrumento, escrita e leitura de partituras, a criação de choros no mais alto nível de sofisticação. Acompanhou diversos nomes importantes do choro e dirigiu Cds premiados. Em 2008 vence o Projeto Pixinguinha -Prêmio Produção, que no atual formato contemplou os ganhadores com a gravação de um Cd e permitiu que este artista registrasse 14 de seus 110 choros. O Cd Segura a Bucha, marca a trajetória do artista levando ao público seu primeiro trabalho autoral. Acompanhado pelos músicos; Alexandre Ribeiro (clarinete), Rodrigo Y Castro (flauta), Fabrício Rosil (cavaquinho) e Leo Rodrigues (pandeiro), apresenta um repertório que transita entre o choro contemporâneo e o tradicional. Seu estilo “brincalhão” propõe em cada composição um desafio rítmico, através de frases modificadas e convenções que exigem de seus interpretes um virtuosismo baseado na agilidade, sonoridade e improvisação. Zé Barbeiro nos mostra através do seu violão uma maneira única de interpretar este gênero musical, e como compositor apresenta uma obra que nos revela um modo muito particular de choro, apontando novos horizontes e contribuindo para a renovação do gênero, imprimindo sua marca na diversidade musical dos caminhos da linguagem chorística.

www.myspace.com/zebarbeiro

ze_barbeiro@ig.com.br

(11) 9919-3590

>> Ver suas atividades no Comboio de Cordas

O Comboio de Cordas

O Comboio de Cordas é um coletivo de violonistas que tem como objetivo a integração de músicos por meio de apresentações conjuntas –privilegiando os trabalhos autorais. Esta iniciativa visa a atração e a multiplicação de público para a diversificada música violonística contemporânea.

O projeto partiu de 9 violonistas atuantes na cena paulistana: Leonardo Costa, Muari Vieira, Francisco Andrade (Quarteto Pererê), Cau Karam, Zé Barbeiro, Michi Ruzitschka, Alexandre Cueva, Bisdré e Chico Saraiva. Atualmente conta com diferentes formações e sempre novos parceiros que foram se firmando ao londo dos anos.

Em seu 7º ano de existência, o Comboio tem agregado mais e mais músicos, e pretende ser um `espaço´ permanente de convergência da música instrumental e autoral e suas  possibilidades.

Francisco Andrade

Francisco Andrade

Francisco Andrade

Natural de São Paulo iniciou seus estudos de música aos 11 anos com o Mestre Violonista Fernando Presta. Dentre seus estudos de violão teve como professores os Mestres Violonistas Ruy Weber, Everton Gloeden e Paulo Porto Alegre. Dentre seus estudos de viola brasileira teve como professores os Mestres Violeiros Vinícius Alves, Ivan Vilela e João Paulo Amaral. Atualmente dedica-se ao projeto de canção brasileira ENCANTO DE CORDAS ao lado de Letícia Torança, Cau Karam. Aluno Especial do Programa de Pós Graduação em Música da ECA-USP. Disciplina “Estilo Antropofágico de Heitor Villa-Lobos” Prof. Dr. Gil Jardim. (2011)

 Atua desde 2002, como idealizador, violonista e violeiro do Quarteto Pererê tendo dirigido e produzido os álbuns Ebulição, com indicação ao prêmio Tim-RJ (2006) na categoria conjunto revelação Musica/ Instrumental, e Balaio (2009). Com 10 anos de Trajetória o Quarteto Pererê tem se apresentado em teatros dos SESC’S, SESI’S, Circuitos Culturais, Parques, Praças… pelo Brasil. Duas passagens pela Holanda e uma pela Itália.   Concerto de abertura para aula espetáculo do escritor Ariano Suassuna.   Participações nos álbuns Brutas Flor de André Morais, Lá Lá iá de Marcia Mah e Sinfonia de Arame de Dinho Nascimento. Participou como violonista dos álbuns Pés Descalço (2006) de Zeca Collares e Memorias Sonoras da Noite (2003) de Salloma Salomão. Dirigiu a trilha do documentário Somos Todos Sacys (2005) de Sylvio do Amaral Rocha e Rudá K. Andrade.

Formado em História pela PUC-SP (2002) dedicou seu Trabalho de conclusão de curso na reflexão das Culturas Brasileiras pela linguagem musical, na idealização do projeto Vozes do Tempo: História, Música e outras Linguagens, ao lado de Lucas Campos Azevedo e Rudá Kocubej Andrade, realizado pelo departamento de História e Vice-reitoria comunitária da PUC-SP, com orientação dos Doutores Antônio Rago Filho, Fernando Londoño e Antônio Pedro Tota. Contou com produção de Beatriz Baldo com apoio da Fundação Padre Anchieta, Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo entre outros, congregando música, poesia, áudio visual e palestras.   Participações de Guinga, Ivan Vilela, Arthur Nestrovisk, A Barca, Marcelo Fernandez, Deuler Andrade entre outros artistas.

Violonista convidado para o projeto de intercâmbio cultural Brasil-Holanda, coordenado pelo poeta Wiliam Kurstein. Fazendo parte do elenco: Mãos pés e bocas do Cerrado (2001).   Recitais de Violão com obras de Villa-Lobos, Tom Jobim, Hermeto Pascoal, Baden Powel e Ruy Weber.   Participações de Luciano Vazoller (piano), Andréa Luísa Teixeira, Gilson Mundim (flautas) e Kriya Família (percussão). Prinses Theater, Cultuurmakelaar, De Twijfelaar. Roterdam, Holanda.

Participou do I Intercâmbio Internacional de violão Brasil – França, firmado entre a École de Musique de Trégor (França) e o CENA – Centro de Encontro das Artes sob os auspícios da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, tendo aulas de Violão com Roger Eon. No mesmo ano foi Bolsista do V Festival Nacional de Violão de Guaratinguetá “Dilermando Reis”. (2000)

Cursou violão erudito na Faculdade Santa Marcelina (2000/2001). Na área de educação musical. Professor de violão no Ponto de Cultura Pilar do Sul/SOSACI, idealizando e dirigindo a Orquestra de Violões MultiVozes, agraciada pelo Prêmio de Mídia Livre // Ministério da Cultura do Brasil (2009). Centro Experimental de Música do SESC Consolação, SP (2011). Colaborador do Ponto de Cultura Mosaico Musical (Movimento dos Favelados da Vila Prudente), SP, Capital (2011).

www.cooperativademusica.com.br/encantodecordas

http://www.quartetoperere.org/

franciscoandrade.br@gmail.com

(11) 7291-9131

Cau Karam

Cau Karam


Cau Karam

Cau Karam, violonista e compositor, começou seus estudos de violão como autodidata com 18 anos de idade e dedica-se ainda ao cavaquinho e à viola caipira. Depois de pré-selecionado no Projeto Rumos Musicais – Tendências e Vertentes da Produção Brasileira Atual do Itaú Cultural em 2001, passou a dedicar-se mais à composição. O CD Sambas, choros, valsas e um frevo foi gravado em São Paulo, com direção do violonista e compositor Mário Gil, e conta com as participações de Nailor “Proveta” no clarinete, Ronen Altman no bandolim, Beto Sporleder na flauta e saxofones, Lucas Vargas, no piano e acordeom, Rui Barossi no baixo, Mário Gaiotto na percussão, Paulo Ribeiro e Muari Vieira nos violões. Cau Karam toca violão, violão de 7 cordas, viola de 10 cordas e cavaquinho. Das três indicações no Prêmio Açorianos de Música 2006 (Melhor Disco; Melhor Compositor; e Melhor Intérprete/Instrumentista), o autor recebeu os prêmios de Melhor Disco de Música Instrumental e Melhor Compositor de Música Instrumental do ano de 2006.

Em novembro de 2006, o compositor fez pré-lançamento do CD em pocket-show na Livraria da Vila, com as participações de Beto Sporleder, Rui Barossi, Paulo Ribeiro, Muari Vieira e Guilherme Marques na percussão. Em 2007 o compositor começa a temporada paulistana de lançamento do disco com o show ocorrido em junho no MIS – Museu da Imagem e do Som de São Paulo. Em outubro do mesmo ano, o segundo show foi realizado no Museu da Casa Brasileira, dentro do Projeto Música no Museu, sob a curadoria de Benjamim Taubkin. Em novembro de 2009 e março de 2010, juntamente com o violonista Paulo Ribeiro, faz o show dentro do projeto Comboio de cordas – Coletivo de violonistas onde apresenta músicas de seu primeiro disco e mais algumas inéditas, além do repertório de música popular brasileira, com arranjos do próprio Duo. Em 2011, o Duo é convidado para participar do Projeto Música de Bandeja, organizado pelo SESC/SP, e faz apresentações no SESC Pinheiros (agosto e dezembro/2011) e Sesc Bom Retiro (novembro/2011); e, em abril de 2012, o Duo faz nova apresentação, dentro do projeto Música no Jardim, na cidade de Porto Alegre.

 

www.myspace.com/caukaram

www.discosdobrasil.com.br

www.musicosdobrasil.com.br

caukaram@hotmail.com

(11) 8258-6495